A Medicina tem continuamente desenvolvido e aprimorado tratamentos que proporcionam resultados cada vez mais eficazes aos pacientes. Com o avanço da tecnologia, os procedimentos têm oferecido respostas otimizadas e em prazos menores. Entre eles, um que vem se destacando nos consultórios de dermatologistas é a microinfusão de medicamentos na pele (MMP).

A MMP é uma revolução nos tratamentos dermatológicos e capilares. A técnica é não só inspirada na confecção de uma tatuagem, como também utiliza o mesmo aparelho. Para saber mais sobre o assunto, continue a leitura do post:

O que é a microinfusão de medicamentos na pele?

Também chamada de tattooing, a microinfusão de medicamentos na pele (MMP) é uma técnica de inserção de fármacos diretamente na área necessitada. É um método recente e ainda pouco difundido entre os profissionais de Dermatologia, mas muito promissor pelos seus rápidos resultados, baixo custo e por não ser dolorosa ao paciente.

Como funciona?

A máquina de MMP é, na verdade, um aparelho inicialmente utilizado para inserção de tatuagens (daí o nome tattooing). Conhecida como Cheyenne, a máquina alemã conta com diferentes tipos de agulhas; o uso de cada uma varia conforme a indicação.

Por isso mesmo, o princípio é parecido com o da produção de desenhos na pele: em vez de pigmentos, é o medicamento quem entra em contato com a derme por meio de uma ponteira com 27 microagulhas posicionadas exatamente onde ele deve atuar. Dessa forma, em movimentos de vaivém, a máquina introduz o fármaco em velocidade e profundidade determinadas pelo dermatologista e pelo tipo de tratamento.

O mais comum é que as microagulhas penetrem cerca de 0,1 a 2mm de profundidade, o que faz com que a absorção do medicamento seja lenta, mas não menos eficaz. Por consequência, é possível observar resultados entre 30 e 60 dias.

Portanto, o intervalo entre uma sessão e outra costuma ser maior em relação aos tratamentos tradicionais, já que a substância vai agir por mais tempo. Só para exemplificar, as sessões de mesoterapia costumam ter intervalos de 7 a 15 dias.

Embora seja quase indolor (o procedimento causa apenas um leve incômodo), a MMP pode ser feita com o uso de anestesia local em creme e atuar em conjunto com outros tratamentos.

O tratamento é feito no próprio consultório. O sangramento das microperfurações é muito superficial, quase inexistente. Portanto, para o paciente, é um procedimento mais tranquilo.

A duração varia conforme a gravidade da patologia. Para a alopecia androgenética, por exemplo, a aplicação de MMP tem intervalo mensal, mas a quantidade de sessões necessárias depende do avanço do problema até então. Em geral, são necessárias pelo menos 3 aplicações para a pele e 5 para o couro cabeludo.

Qual a finalidade da MMP?

A MMP tem sido usada principalmente para tratamentos de patologias ou problemas dermatológicos:

  • manchas causadas por exposição ao sol;
  • lesões pré-cancerígenas;
  • leucodermia gutata (sarda branca);
  • envelhecimento;
  • seringomas (protuberâncias inofensivas que costumam aparecer ao redor dos olhos e nas bochechas);
  • queloides;
  • cicatrizes;
  • melasma;
  • verrugas;
  • psoríase;
  • eczemas;
  • vitiligo;
  • estrias.

Também é muito comum para resolução de problemas capilares, que têm se tornado cada vez mais comuns, principalmente entre mulheres. O aumento da procura de tratamentos contra as alopecias androgenética (calvície) e areata (inflamação que causa a queda de cabelo) entre o público feminino mostra que a MMP pode ser um recurso de grande valia para os dermatologistas e tricologistas. Ela também é eficaz para eflúvio telógeno (aumento temporário da queda diária de cabelos).

No microagulhamento, por exemplo, o aparelho faz microperfurações na região para que, ao cicatrizar a pele ou o couro cabeludo, o corpo estimule a produção de colágeno (nos casos de tratamentos estéticos) ou de substâncias que agem especificamente no bulbo e aceleram o crescimento capilar.

Com a indução de medicamentos, os efeitos são potencializados ― principalmente quando a causa é a alopecia. Os tratamentos comuns demoram muitos meses para mostrar resultados, o que desestimula o paciente a dar continuidade. O tipo androgenético da doença é o que vem mostrando resultados mais consistentes com o uso da MMP.

Já no caso de leucodermia gutata, as microperfurações aliadas aos medicamentos vão promover a renovação celular para o retorno da cor natural da pele.

A MMP usa o mesmo medicamento para todos os casos?

Não. A medicação também varia com o tipo de patologia tratada. Em pessoas com alopecia, por exemplo, é provável a combinação de substâncias como finasterida, minoxidil, biotina, vitaminas e bloqueadores enzimáticos. Já o melasma é tratado com medicação que inibe a atividade de melanócitos no local. Com cicatrizes, o uso costuma ser de corticoides.

Quais são as vantagens da MMP?

A microinfusão de medicamentos traz uma série de benefícios tanto para o profissional quanto para o paciente. Veja:

Precisão

Por isso mesmo, a rapidez da MMP é também acima dos procedimentos convencionais. Nos casos de sarda branca, é possível notar melhora em duas semanas após a aplicação. Portanto, a retenção de pacientes também tende a aumentar: ao observar resultados em curto prazo, a tendência de que continuem o tratamento é maior.

Eficácia

Por sua natureza defensiva, a pele inibe a eficiência de medicamentos; até mesmo os de uso tópico têm resultados variáveis. Já a infiltração intralesional (aplicação de pequenas doses de substância na área afetada), embora eficaz, apresenta alguns problemas, como a distribuição irregular do medicamento na região e a dificuldade de aplicação em áreas extensas.

Portanto, a técnica de tattooing maximiza os resultados ao penetrar direta, uniforme e precisamente na derme da região afetada pela patologia. Estudos para comprovar a eficácia do tratamento demonstraram que o medicamento é realmente absorvido pela pele. Por isso, essa lenta e constante absorção do medicamento pela derme não só acelera os resultados, como os torna mais efetivos.

Custo

Outro benefício é o baixo custo dos equipamentos. Além da máquina de tatuagem, são usadas também biqueiras e agulhas, ambas descartáveis, de preço acessível e com certificação da Anvisa.

Usabilidade

Por fim, há também a versatilidade: o mesmo aparelho pode ser utilizado para tratamentos de acne, psoríase, melasma, estrias, envelhecimento e alopecias. Além disso, é um tratamento para ser feito no próprio consultório.

Embora seja nova, a técnica de tattooing, microinfusão de medicamentos na pele ou MMP revolucionou o tratamento de patologias dermatológicas e capilares. A administração de medicamentos por meio de agulhas na região da derme, com sua alta precisão e baixo custo, se torna uma ferramenta que vai agregar aos consultórios, além de melhorar e acelerar tratamentos.

Para quem deseja trabalhar com Dermatologia, a microinfusão de medicamentos na pele é o tipo de recurso que vai oferecer mais uma alternativa interessante tanto para profissionais quanto para pacientes. Além dos rápidos resultados, o tratamento também provoca apenas um leve incômodo e nem necessita de anestesia.